Rio Sergipe: UmA VIdA que liga economia e lazer

A foz do Rio Sergipe separa os municípios de Aracaju e Barra dos Coqueiros, por isso ele é percurso para centenas de pessoas que o usam os barcos "tototó" como transporte no cotidiano. Além de ser a forma mais rápida e sustentável de atravessar de uma cidade para outra, ele garante o sustento de diversos trabalhadores que utilizam barcos próprios para realizar os deslocamentos diários, que ocorrem a cada 15 minutos, das 4h45 até às 19h. É cobrada uma taxa de embarque de R$ 2 para estudantes e R$ 3 para o público geral.

A distância percorrida também é um atrativo para a implantação de empreendimentos de grande porte. Empresas que dispõem de barcos qualificados conseguem capturar quantidades expressivas dos animais que habitam o Rio, principalmente peixes, camarões e caranguejos, para comercialização no próprio estado. Inclusive, boa parte dos animais pescados são tratados e vendidos para comerciantes do Mercado Central, estabelecimento localizado próximo às embarcações.

O Rio é constituído por 26 municípios, com aproximadamente 210 km de extensão, no entanto, apenas oito possuem terras totalmente inseridas na Bacia Hidrográfica. Em Aracaju, o curso d’água pode ser melhor visualizado nas Avenidas Beira Mar e Ivo do Prado, na região central da cidade. Inclusive, é comum que os moradores dessas áreas utilizem o Rio como espaço de lazer através da pescaria e passeios de barco, principalmente aos finais de semana.

Avenida Beira Mar

Apesar da vida do Rio ter uma significativa  importância socioeconômica, a Bacia Hidrográfica apresenta intensa fragilidade ambiental. Segundo pesquisas realizadas na Universidade Federal de Sergipe (UFS), solo, água, cobertura vegetal e micro climas estão em constante exposição às condições de instabilidade ecodinâmica. Atualmente, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), é o órgão responsável pela preservação do local.

Isopor, sacolas e garrafas plásticas são os lixos mais encontrados nas águas do Rio Sergipe. Além do grande dano ecológico trazido por essa poluição, o vínculo do Rio com a economia e lazer do estado é enfraquecido. Afinal, tanto a depleção de oxigênio acarreta na morte dos animais e reduz tanto a lucratividade dos pescadores quanto a atração pela diversão no local.

Para evitar prejuízos ecológicos, econômicos e sociais, existem diversos projetos que apresentam o Rio como uma vida para sensibilizar a população diante do cenário de poluição. Um deles é o SouRio, surgido da iniciativa dos próprios velejadores para impedir a contaminação do ecossistema através da coleta de lixo esporadicamente. Esse projeto reúne voluntários de diversas classes e idades e já conseguiu coletar uma tonelada de lixo em apenas um dia.

foto: reprodução/instagram @souriovazabarris

video: reprodução/youtube SouRio

Você pode participar dessa e de outras iniciativas para salvar o Rio Sergipe. Sua vida também faz a diferença.

Tratar da vida do Rio Sergipe é também tratar da existência de todos os animais aquáticos e indivíduos que alcançam sua subsistência.

Arte e montagem: Thaisy Santa Rosa
Apuração: Janaína Cavalcante
Imagens: Verônica Almeida
Edição: Sofia Amaral